Friday, April 6, 2007

Olhar escravo


Que raiva!
Que ódio!
Come este olhar
me repugna!

Não entendo!
Não percebo!
Como pode este olhar
descontrolado ficar?

Repugnam-me estes olhos verdes,
escravos do meu coração.
eles me denunciam,
eles me enfraquecem,
eles me atraiçoam.

Este olhar, um dia jurou,
e escravo se tornou
deste inocente e frágil coração.

Como este olhar me denuncia!
Como pede e chora
tudo que o coração diz,
precisa e sente.

Ai, como este olhar
me enfraquece…
Como ele espelha
aquilo que sinto,
aquilo que preciso!

Não dá para capturá-lo,
não vale a pena escondê-lo,
por muito que tente,
ele livre se tornou,
apenas ao inconsciente
do coração responde.

Este olhar para sempre
me atraiçoará,
dizendo o que não deve,
brilhando quando não deve,
chorando pelo que não deve!

Os olhos para sempre
serão meus,
Mas este olhar…
nunca mais será meu!

1 comment:

Paula Marcolino said...

Bem, nem sei como nem por onde começar... so sei k ha muitos sentimentos envolvidos, os quais sao expressos neste poema... mas uma questao se me coloca... sera k esse olhar nunca mais sera teu?? na minha opiniao sempre foi e sempre continuara a ser... nao vejo problema algum no facto de o nosso olhar nos denunciar, pois ele so mostra a pessoa k somos... e neste caso mostra a pessoa sensivel e ao mesmo tempo com uma força interior enorme k tu tens... pk sim, uma pessoa sensivel n e sinonimo de fraca... mto pelo contrario... Olhar escravo sim, mas de ti propria... pois o nosso olhar jamais deixara de ser nosso... Adoro-te amiga...